11/06/2007

.: NA MÍDIA .: Revista da Folha (03/05/2007)

Olha, tenho um profundo respeito pelo trabalho que o colunista e articulista Sérgio Dávila faz semanalmente na “Revista da Folha”, sabe? Gosto do estilo de texto mais solto que ele faz, quase um jornalismo literário, uma crônica com ares de conto. E sei que cada um tem direito a sua opinião, e portanto também respeito que ele não tenho gostado de “Homem-Aranha 3”. Mas...pera lá. Dizer que o filme é racista porque o Homem-Aranha “do mal” é negro? Aí não dá. Baita forçada de barra.

Não vou nem comentar o argumento óbvio de que, antes de dizer uma bobagem destas, Dávila deveria ter feito a lição de casa – e entendido que, nos quadrinhos, o uniforme negro surgiu originalmente como uma nova opção de revitalização do personagem para a década de 90 (e que os fãs adoraram), não como um “vilão”, papel que ficaria para o Venom alguns anos depois.

Vamos ficar só no cinema. Mas quer dizer então que os vampiros do cinema, sempre vestidos com a cor preta, são uma manifestação racista? E o Darth Vader, então? O maior vilão da história da Sétima Arte é a maior manifestação racista da cultura pop? Dizer que o Luke está indo para “o lado negro da Força” é racista também? Talvez o Dávila tenha adorado as mudanças politicamente corretas que a Fox brazuca fez para a nova versão da saga, trocando “negro” por “sombrio” e mandando para o ralo uma tradição de 30 anos. Pelamordedeus.

A frase é mesmo um chavão, mas encaixa-se como uma luva neste caso: “O preconceito está nos olhos de quem vê”.

Nenhum comentário: