06/11/2007

.: QUADRINHOS .: Mauricio de Sousa fazendo versão nacional do Homem-Aranha?

Pois é. No sábado do dia 27/10, o lendário criador nacional de quadrinhos Mauricio de Sousa (COMO ASSIM VOCÊ NÃO SABE QUEM ELE É?) esteve na FNAC Pinheiros para comemorar seu aniversário de 72 anos e também para lançar seu novo álbum de luxo: “Mauricio de Sousa – Biografia em Quadrinhos”, compilação de toda a sua carreira. Mas isso não importa. O que importa DE VERDADE é que, entre brincadeiras, autógrafos e um papinho descontraído com os jornalistas presentes, ele soltou para os nossos camaradas do Judão: “Estamos brincando de conversar sobre uma versão brasileira de Homem-Aranha dentro de nossos estúdios”.

Exatamente. Vamos considerar que a proposta até que faz sentido, já que os direitos sobre a publicação do Aranha no Brasil são da Panini, a mesma editora que publica os gibis da Turma da Mônica. Estaria tudo em casa. No entanto, as versões nacionalizadas do personagem feitas no Japão e na Índia não funcionaram lá muito bem – aliás, para ser sincero, o Homem-Aranha em formato mangá ficou UMA BOSTA. “Seria o mesmo Homem-Aranha e com o nosso estilo, traço, cuidado, jeito e grafismo”, complementou Mauricio. “Não uma história infantil, mas algo um pouquinho mais além dessa da Tina que acabou de sair. Com a leitura, logicamente, se passando no Brasil”. Será que ele voltaria a trabalhar para o Estado de São Paulo e se chamaria Pedro Prado?Oh, boy.

Bom, gosto das coisas cheias de referências que o estúdio do Mauricio faz, em especial aquelas edições dedicadas a “Star Wars”, “Lost” e afins. O resultado é realmente muito acima da média do que sai publicado mensalmente nos gibis focados diretamente no público infantil. E há quem acredite (como eu, talvez) que esta versão tem boas chances de ficar MUITO MELHOR do que boa parte do que anda acontecendo com o personagem na cronologia comum – vamos deixar a divina versão “ultimate” de fora desta história. Não vou me deixar tomar pelo preconceito, já que gosto do que o Mauricio faz com a turminha e acredito que ele tem uma equipe boa o suficiente para fazer um bom material voltado para os públicos adolescente/adulto.

Apenas para complementar, ele ainda falou sobre a versão manga de Mônica e sua trupe: “Está um pouco difícil de acertar o estilo porque é uma revolução. Além do desenho diferenciado, a Turma da Mônica subirá para a idade de 16 anos. E com a turminha subindo para 16, o Franjinha sobe para 20. Nós temos que planejar a personalidade e o que aconteceu nesse período de tempo”.

Mais notícias do mundinho pop:

- Está na web o trailer de “Wanted”, adaptação dos quadrinhos de mesmo nome escritos por Mark Millar, com Morgan Freeman, Angelina Jolie e James McAvoy (“O Último Rei da Escócia”) no elenco. Parece interessante, embora troque conceitualmente os supervilões por “assassinos”. Vejamos...

- O desconhecido Greg Berlanti, roteirista e produtor-executivo de séries como “Everwood” e “Dawson’s Creek” , deve fazer sua estréia como diretor justamente na adaptação do cinema para os gibis do Lanterna Verde. Ele vem acompanhado de um time de peso, já que vai escrever o roteiro ao lado de Marc Guggenheim e Michael Green (que ironia...). Guggenheim já escrever gibis para a Marvel (incluindo alguma coisa do Homem-Aranha, Wolverine e Blade), enquanto Green, ex-roteirista e produtor de “Smallville”, escreveu alguns números de “Superman/Batman” e atualmente trabalha como co-produtor executivo de “Heroes”.

- Trocando seis por meia-dúzia? Na direção do filme do Flash, sai Shawn Levy (“Uma Noite no Museu”) e entra David Dobkin (Penetras Bons-de-Bico). Significa, portanto, que o tom continuará sendo mais para o humor, talvez até para a “família”. Em entrevista para a MTV gringa, Dobkin deixou claro que seu longa sairá depois daquele da Liga da Justiça dirigido por George Miller, funcionando dentro de um mesmo universo e como uma espécie de spin-off direto. Confirmando ainda que seu Flash sera o Wally West, o cineasta deixa espaço aberto para a veracidade do tal boato no qual dizia-se que, no filme da Liga, Barry Allen morreria, sendo substituído por Wally.

- A Sony Pictures Entertainment Japan e a Capcom vão produzir juntas o filme animado “Biohazard: Degeneration”, baseado nos filmes e nos jogos da série "Resident Evil". Vale lembrar que “Biohazard” é justamente o nome desta franquia de games no Japão.

- O Zé está comemorando: depois de passar anos falando sobre o assunto, David Duchovny agora pode dizer que estava certo, já que a 20th Century Fox afirmou estar pronta para iniciar a produção de “Arquivo X 2”, segundo longa inspirado naquela série que, pelo jeito, só eu mesmo achava sem-graça. Duchovny e Gillian Anderson devem retornar, respectivamente, aos papéis dos agentes Fox Mulder e Dana Scully. A direção, obviamente, está nas mãos de Chris Carter – depois de 10 anos, ele ia deixar o Rob Bowman tomar o seu filho mais querido novamente? :-)

- De acordo com o site BloddyDisgusting.com (que, apesar do nome bizarro, costuma acertar nas fontes que consulta), a Warner Bros. Pictures contratou o diretor irlandês Ruairi Robinson para assumir o comando da adaptação para as telonas de “Akira”. Preparem as suas orações para que as orelhas de Robinson caiam caso ele faça uma cagada neste filme.

- Um dos filmes mais machos dos últimos tempos (ao lado do igualmente ‘testosterônico’ “Mandando Bala”), “Adrenalina” vai mesmo ganhar uma continuação, e com Jason Statham retornando ao style do atirador profissional Chev Chelios. A trama tenta contornar o final aparentemente definitivo do anterior, ao mostrar um mafioso chinês que substitui o coração praticamente indestrutível do nosso herói por uma bateria de altíssima voltagem que requer rajadas de eletricidade periódicas para continuar funcionando.

- O elenco de “O Incrível Hulk” ganha mais uma adição: o Doutor Samson. Quem viverá o super-herói e psiquiatra de cabelos verdes (ele teria sido irradiado por raios gama antes do Hulk) é Ty Burrell, o marido de Nicole Kidman em “A Pele”. Pela enorme quantidade de personagens dos gibis já confirmados (incluindo os vilões Líder e Abominável), tudo indica que Samson deve ser uma participação especial. Agora...pelo porte físico do sujeito em sua forma original, valia mais a pena colocar uma peruca verde no Lou Ferrigno e dar-lhe um bom papel especial!

- "Eles me procuraram uma vez. Quando eu li os livros, eram na minha cabeça bem Charles Dickens - a situação de Harry Potter me lembrava o Pip de ‘Grandes Esperanças’. Os livros eram profundos, corrosivos. Mas daí saíram os dois primeiros filmes, que eram alegres, leves, cheios de luz, e isso não me interessava. Agora os filmes da série parecem estar ficando cada vez mais sombrios e assustadores. Se eles me procurarem de novo, eu pensaria no caso". Este foi Guillermo Del Toro, diretor de “Hellboy” e “Labirinto do Fauno”, manifestando interesse em assumir o controle do último filme da franquia Harry Potter.

- O filme que seria a grande realização da vida do quadrinista Lee Falk caso ele ainda estivesse entre nós, a versão para as telonas do mágico Mandrake tem um protagonista: Jonathan Rhys-Meyers, o mau-caráter de “Match Point”. A direção é de Chuck Russell, de “O Escorpião-Rei” e “O Máskara”.

- Quando descobriu que Michael Dougherty e Dan Harris não vão retornar para o roteiro da seqüência de “Superman – O Retorno” (sim, o “retornar” foi proposital...), o escritor de quadrinhos Mark Millar ficou todo esperançoso. Ele sempre gostou do Homem de Aço e, de acordo com um post em seu site oficial, este seria o único roteiro dos muitos que lhe foram propostos no qual estaria realmente interessado. “Tenho literalmente centenas de páginas de anotações e sketches simplesmente aguardando por esta oportunidade. Seria o meu sonho e, como fã, sei exatamente o que este projeto precisa para funcionar. (...) Honestamente, eu escreveria esta coisa de graça. Quero fazer o filme do Superman que todos nós queremos ver”. Mas parece que a DC acha o preço do Millar caro demais. J. Michael Straczynski, também roteirista da Marvel, ficou empolgado pelo amigo e ligou para o agenciador do filme, para dar seu aval à escolha de Millar (afinal, Straczynski tem uma sólida carreira em Hollywood antes mesmo dos gibis). E o que ele ouviu foi que Paul Levitz, presidente da DC, não quer nenhum roteirista da Marvel dizendo como se deve escrever um personagem da DC. Que mal, hein?

Um comentário:

Renan disse...

Hei, cadê o crédito para a persona que fez a entrevista!? =P