07/05/2008

.: CINEMA .: Eu e a temporada de blockbusters

SPEED RACER: Nunca fui fã do desenho animado, embora gostasse do visual do Corredor X. Nem de carros eu gosto. E tudo que vi, pelo menos até agora, me faz ter a impressão de que se trata de um “Velozes e Furiosos” para nerds balzaquianos com saudades dos anos 60.

AS CRÔNICAS DE NÁRNIA – PRÍNCIPE CASPIAN: Devo admitir que, até hoje, nunca tive vontade de ver o primeiro. Sempre achei o C.S.Lewis uma espécie de Tolkien mais puritano, quadradão e sem tempero. Seus personagens nunca me agradaram muito e, por conseqüência, esta segunda película nem me fede e nem me cheira.

INDIANA JONES E O REINO DA CAVEIRA DE CRISTAL: Vai ser a primeira vez que vou aos cinemas ver o Indy em ação. É, de fato, uma oportunidade única. Harrison Ford, Spielberg e George Lucas reunidos? E com a clássica música-tema de John Williams? Tenho minhas dúvidas de que a atual molecada de 15 anos vai se interessar pelo velho aventureiro – mas este nerd que vos escreve vai estar no cinema com certeza.

SEX AND THE CITY – O FILME: Sou suspeito para falar, já que jamais vi qualquer graça no seriado original. Tenho amigas que estão arrancando os cabelos por este filme, muito mais do que por qualquer outro grande lançamento do ano, mas digamos que tenho outras prioridades cinematográficas para 2008.

KUNG FU PANDA: Virei fã do Jack Black depois de “Escola do Rock” e “Tenacious D”. Vê-lo dublando um personagem que é praticamente ele mesmo deve ser bem bacana (assim como curtir a Angelina Jolie dando voz à uma tigresa), embora eu só vá ter a oportunidade de curtir as vozes originais quando chegar em DVD – na telona, devo levar a filhota, que por enquanto não fala inglês.

O INCRÍVEL HULK: Sou dos poucos que adorou a versão do Ang Lee, mas estou igualmente interessado nesta nova interpretação. Sei do timing inteligente para filmes de ação do diretor de “Carga Explosiva”, e o elenco parece deveras apetitoso, a começar pelo Edward Norton como Bruce Banner. E ele ainda mexeu no roteito, vexam só. Promissor, muito promissor. Ainda acho que o último trailer conta muito, mas muito mesmo, sobre a história. Mas, ainda assim, é promissor.

WALL.E: A Pixar ataca novamente. Só pelos trailers, fica claro que o robozinho que protagoniza a película é uma fofura, transbordando carisma a cada pixel exatamente como boa parte das produções da companhia. Aqueles olhos têm tanta emoção que deveriam servir de lição interpretativa para o Vin Diesel. A história é inusitada e merece o nosso crédito.

HELLBOY 2: A equação é das mais simples. Adoro o trabalho do Guillermo del Toro com estes produtos de fantasia meio gótica. Adoro o Hellboy. E adoro o primeiro filme. Não tinha muito segredo a respeito do meu interesse por esta seqüência, né?

MAMMA MIA: Depois do sensacional e dançante “Hairspray”, nada melhor do que um musical inteirinho com canções do Abba. E com a Meryl Streep e o Pierce Brosnan soltando a voz. Diga que você não está curioso, vá!

ARQUIVO X 2: Sou um nerd que não via graça em “Arquivo X”. Nenhuma mesmo. “Millennium” era muito mais estilosa. Por que teria qualquer interesse em Mulder e Scully depois de tanto tempo? Deixo para o Zé e para o Spock (que não é o Nimoy).

THE HAPPENING: É o Shyamalan. Bem ou mal, é ele. Dou um voto de confiança ao camarada – especialmente depois do conto de fadas tocante que foi “A Dama na Água”.

BATMAN – O CAVALEIRO DAS TREVAS: Inicialmente, por motivos óbvios, é um filme obrigatório para nerds. Depois desta inteligente campanha de marketing online, nem tinha como não ter a menor curiosidade de ver o que Christopher Nolan está preparando – e se isso vai corresponder às expectativas geradas. Christian Bale vai ser ator coadjuvante, porque é claro que Heath Ledger como Coringa e Aaron Eckhart como Harvey Dent serão os destaques principais. Promete ser um marco.

AGENTE 86: Steve Carrell é a cara de Maxwell Smart, uma escolha inspirada de elenco. E tenho uma profunda simpatia por ele, um dos atores cômicos mais inteligentes e carismáticos de sua geração (Adam Sandler my ass). O trailer capturou total o espírito da série. Acho que até o Zarko vai se convencer disso.

PROCURADO: Não gostei nem do gibi original, que acho aquém de boa parte do material do Millar que tenho lido. Tudo bem que tem a Angelina Jolie totalmente bad girl, em seu momento mais badass, tatuagens por todos os lados, arma na mão, cara de má. Mas sei não. Ta certo que gostei mais de “300”, o filme, do que de “300”, o gibi. Vai que rola.

A MÚMIA 3: O primeiro é fantástico, com um Brendan Fraser em seu melhor momento “herdeiro do “Indiana Jones”. Mas o segundo é ruim de doer, sem metade do charme e da diversão despretensiosa do inicial. E o vilão é Jet Li? Caraca. Tenho medo.

Nenhum comentário: