02/12/2008

.: QUADRINHOS .: E então, rolou uma bitoca...

Na edição deste mês de “Turma da Mônica Jovem”, a polêmica revista publicada pela Panini com aventuras da turminha em versão mangá/adolescente e que deixa os saudosistas com os cabelos em pé, finalmente acontece um beijinho entre o Cebolinha (que agora quer ser chamado de Cebola) e a Mônica, conforme a gente vê na imagem. Ao contrário do que apregoam os apocalípticos de plantão, não é nada erotizado, com cunho sexual. É um beijinho roubado, quase infantil, bonitinho até. Mas um momento assim tão marcante para personagens que fizeram parte da nossa infância me fez refletir o quanto acho bizarra esta versão jovem de Mônica e cia. A começar pelo fato de que eu nem achava que esta era uma visão necessária, muito menos em mangá (tô de saco cheio desta mania de ter que transformar tudo em mangá/anime, apenas para constar).


Não sei se sou só eu, mas sempre imaginei a Tina como sendo uma versão mais velha da Mônica: a menina que era gordinha e CDF na infância mas, quando cresceu, se tornou a mais bonita e paquerada da turma, mesmo sem perder a timidez e o jeitinho inocente. Já o Cebolinha era o retrato fiel do Rolo: depois de tantas brigas, se torna o melhor amigo da Mônica, meio nerd, totalmente atrapalhado, um tipinho que cria todas as sortes de planos infalíveis para tentar paquerar a mulherada. A Magali, então, seria a Pipa: uma gracinha de gordinha que tenta emagrecer de todo o jeito, mas não consegue deixar o chocolate de lado. E o namorado dela, o Zecão, seria uma versão para o Cascão, forçando um pouco a barra: folgado, preguiçoso, larga tudo por uma boa partida de futebol na TV. Não tava bom?

Precisava fazer um Cebolinha que não troca mais os “Rs” pelos “Ls”, uma Magali que é toda gostosinha e faz dieta e um Cascão que resolveu tomar banho? O resultado são personagens que perderam as suas características primordiais, tornando-se apenas coadjuvantes de um mangá romântico como “Love Hina” ou “Fruits Basket”. E a gente, que aprendeu a ler com a molecada do Bairro do Limoeiro, sinceramente achava que eles mereciam bem mais.

3 comentários:

Gabriela Martins disse...

Vi sobre esse beijo, e achei a capa da revista tão pega-bobo...

Priscilla Sarah disse...

Imagina o tempo que vai levar para rolar o primeiro boquete.

David disse...

Segundo o Maurício de Sousa, essa foi uma tentativa de recuperar mercado. Ele viu que as crianças estavam deixando de ler "Turma da Mônica" cada vez mais cedo. Assim, ele resolveu criar a "Turma da Mônica Jovem" para atingir o público que deixara de ler a turma clássica.