30/04/2009

.: MONDO NERD .: Eu e os animes

Nas últimas semanas, sei que deixei alguns amigos decepcionados quando eles vinham desabafar comigo a respeito do fracasso que é “Dragonball Evolution”, adaptação cinematográfica do anime “Dragon Ball”. Afinal, minha resposta era sempre: “Pois é, imagino que o filme seja ruim, mas também nunca achei o desenho grande coisa”. Como resposta, aquela expressão de surpresa, sempre seguida de um “como assim?”.

Pois é, isso pode chocar muita gente, mas acho “Dragon Ball Z” um saco. O máximo que eu conseguia ver era o “Dragon Ball” inicial, com o Goku ainda pequeno e sob os ensinamentos do Mestre Kame. E mesmo assim, com muita boa vontade. Aliás, eu nunca fui lá dos maiores fãs de animes/mangás. Adoro os clássicos do Osamu Tezuka, em especial o “Astro Boy”, que foi parte integrante da minha infância. Tive minha fase de fã dos “Cavaleiros do Zodíaco”, mas acabei ficando meio de bode da série depois que ela passou a seguir uma fórmula do tipo “fases de videogame com seus chefões finais”. Gosto de “Yu Yu Hakusho”. Fiquei vidrado com “Neon Genesis Evangelion”, “Akira” e “Ghost in The Shell”. E nunca esqueço da minha reação ao ler “Crying Freeman” (foto), que achei fantástico, ou mesmo “Lobo Solitário”, que é de arrepiar. Mas nada disso me faz um fã devotado da linguagem, do tipo daqueles visitantes do “Anime Friends” – como sou, por exemplo, de determinados personagens da Marvel e/ou da DC e também de certos autores brasileiros e europeus. Acho que ainda não consegui ser suficientemente cativado pelos olhos esbugalhados e pelos traços de movimento ao fundo, fazendo uma simplificação banal. Alguém aí tem mais alguma sugestão de leitura e/ou de DVD que possam me fazer ter uma visão mais profunda?

Ah, sim: tem uma coisa que me deixa fulo da vida, que é esta maldita mania de ter que transformar tudo em animação japonesa e/ou mangá. Isso sim é uma pentelhação! Homem-Aranha em mangá, Batman em anime, X-Men de olhos puxados. Afe. Desde que os animes viraram mania entre a molecada de 14/15 anos, todo mundo está querendo se “modernizar”, querendo ganhar o seu quinhão nesta brincadeira e transformando tudo quanto é personagem em uma variação nipônica. E vamos ser sinceros e admitir que nem sempre isso funciona ou faz qualquer sentido dentro do conceito desta ou daquela série – posso falar com propriedade sobre o mangá do aracnídeo, que comprei e por pouco não joguei pela janela de tanta raiva, já que o troço era ruim demais! Estas modinhas sem propósito acabam pasteurizando as coisas de tal forma que você pega raiva daquilo que nem deveria. Menos, minha gente, menos.


2 comentários:

xDanix disse...

Essa moda de transformar tudo em anime é um saco sem tamanho mesmo. Que coisa ridícula, não tem porquê.
Já leu Gen Pés Descalços? Recomendo muitíssimo, um dos melhores mangás que já li, chorei lendo.
Estou lendo agora o Nausicaa do Vale do Vento, do Hayao Miyazaki, que a Conrad está publicando. Muito bom também.
Eu AMO Dragon Ball e Dr. Slump, a primeira obra do Akira Toriyama, divertidíssimo.
Mas tbém não gosto de qualquer coisa que seja mangá e anime, sou meio seletiva. Tem coisa muito chata. Aliás, meu TCC foi sobre mangás.

Lunks disse...

Agora tem até meninas super poderosas versão anime. Mó vacilo.