10/09/2009

.: CINEMA .: Up - Altas Aventuras

Alguém pode me explicar quais são os planos da Pixar para os próximos anos? Depois de assistir à mais recente animação do estúdio, Up - Altas Aventuras, juro que não consigo entender muito bem. Não bastou aquele final de "Ratatouille", com profundidade tamanha para encher os olhos de lágrimas. Não bastaram as muitas sequências do romantismo sutil e cheio de metáforas robóticas de "Wall-E". Nada disso. Com "Up", a Pixar se supera e faz aquele que é seu filme mais intenso, mais emocionante, mais sublime. E também o seu filme mais adulto, por mais que as piadas visuais estejam afiadíssimas e sejam competentes o suficiente para manter as crianças entretidas - minha filha, rolando de rir durante boa parte da sessão, que o diga.

Talvez seja arriscado dizer, mas acho até que é o melhor filme da Pixar, simples assim. Aquele que mais merece uma estatueta do Oscar. Afinal, se no ano passado "Wall-E" foi um dos melhores filmes que vi no ano, não apenas na categoria "animação", "Up" é sem qualquer dúvida "O" melhor filme que vi em 2009. Pelo menos até agora. Bate "Watchmen" de longe, mas muito longe. Uma surra homérica de qualidade, eu diria.

A trama pode parecer surreal à primeira vista - um solitário velhinho vendedor de balões que flutua com sua casa para viver uma aventura na América do Sul e que acaba arrastando, por acidente, um atrapalhado escoteiro-mirim que estava na sua varanda. Isso sem falar nos cães falantes e nos enormes pássaros coloridos e temperamentais (não pergunte!). Mas tudo faz sentido à medida que os personagens vão sendo apresentados e revelados com um carisma que é impossível resistir. Ao final do filme, você já está apaixonado por todos eles. O primeiro e mais importante é justamente o protagonista, Carl Fredricksen - que, assim que os primeiros vídeos foram liberados, levantou certa dúvida. "Será que um senhor idoso é cativante o suficiente para um longa-metragem de animação?". Ao final dos dez primeiros minutos, que apresentam a história da vida de Carl desde a infância, ele já se tornou seu melhor amigo. É bem provável que os adultos que usaram filhos e sobrinhos como desculpas para ir ao cinema fiquem com o choro entalado na garganta ao descobrir o amor de Carl por sua mulher e o verdadeiro motivo de sua fascinação por esta viagem.

No final das contas, "Up" não é apenas um "um solitário velhinho vendedor de balões que flutua com sua casa para viver uma aventura na América do Sul". "Up" é um filme sobre envelhecer e sobre as perdas que temos que encarar ao longo do processo. É um filme sobre a solidão - seja ela de um velhote que perdeu seu grande amor, a de um garoto esquecido pelo pai-herói ou a de um cachorro que é diferente de todos os outros de sua matilha. Mas, principalmente, "Up" é sobre nunca desistir de seus sonhos, por mais que eles pareçam loucos e distantes, por mais que alcançá-los obrigue você a virar sua vida de pernas para o ar. "Up" é um filme que diz claramente: nunca é tarde demais para tentar. E continuar sonhando.

A Pixar agora tem um pepino enorme nas mãos. Desde "Ratatouille", o padrão de qualidade de seus filmes vem subindo consideravelmente. Com "Up", este padrão de qualidade atingiu níveis estratosféricos. Como diabos eles vão conseguir se superar desta vez? A gente espera aqui repleto de ansiedade.

PS: Esquilo.......?

2 comentários:

Gregory W.C. disse...

Agora eu fiquei realmente curioso para assistir Up. "Uma surra homérica em Watchemen"? Quero ver ;)

P.S. Ótimo blog!

Carlos Henrique disse...

Esquilo?