11/02/2010

.: CINEMA .: Invictus

Existem pessoas que não são exatamente fãs de filmes de esportes - ainda mais quando se trata de esportes de pouco apelo entre os brasileiros, como o beisebol, o futebol americano e o rúgbi. Eu sou um destes, preciso dizer. E é exatamente por isso que digo: quando se tratar de "Invictus", esqueça este preconceito idiota. Estamos falando de um filme dirigido por Clint Eastwood. Tudo bem, também há quem defenda que este "Invictus" é um filme menor do diretor, talvez mais contido. Pode ser. "Invictus" não é "Menina de Ouro", não é "Gran Torino". Mas é possível enxergar ali sua assinatura particular, o seu jeito de humanizar sem perder a força, a intensidade. Estamos falando de um filme sobre o apartheid na África do Sul, sobre as diferenças e similaridades do ser humano, sobre preconceito. Não é um filme de rúgbi. O rúgbi é apenas um pano de fundo para a história se desenrolar. Uma história cujos detalhes é possível ver acontecer no coração da família do capitão do time (vivido por Matt Damon) ou mesmo na integração entre os guarda-costas negros e brancos da equipe do presidente sul-africano, o carismático Nelson Mandela.


Escolhido pelo próprio Mandela para interpretá-lo, Morgan Freeman domina a tela com o talento costumeiro. E incorpora o personagem, com quem guarda imensa similaridade física, de maneira quase espiritual. Já li críticas desencando a atuação do ator na película, dizendo que ele optou por um retrato panfletário, quase messiânico de Mandela, repleto de frases feitas. Mas o Mandela de "Invictus" é isso mesmo. Não é uma pessoa. É um símbolo. Uma bandeira. Um estadista que entende seu poder como ícone para as massas e, além de incentivar o time nacional de rúgbi durante a Copa do Mundo situada no país, usa o esporte favorito dos brancos para fazê-los se reunirem aos negros em harmonia, ao mesmo tempo em que se identificam com o governo de Mandela. É um homem que, é claro, é muito inteligente e tem sua própria agenda pessoal, que sabe que precisa ser político para exercer um cargo em situação tão espinhosa. E nem me cabe aqui fazer juízo de valor sobre o camarada, se ela era bonzinho ou um egoísta babaca que se fazia passar por homem de paz. Esta opinião é pessoal de cada um. O que eu quero é saber do filme. E esta é uma arte da qual Eastwood entende bem. Que o diga, parafraseando o amigo Rob Gordon, a cena na qual Damon visita a prisão na qual Mandela ficou enclausurado. Aquilo é o mais puro Eastwood. E isso é elogio dos bons.

INVICTUS (Idem, 2009)
Direção: Clint Eastwood
Elenco: Morgan Freeman, Matt Damon, Tony Kgoroge, Patrick Mofokeng, Matt Stern, Julian Lewis Jones, Marguerite Wheatley
Duração: 133 min.

Nenhum comentário: