27/03/2010

.: QUADRINHOS .: A épica batalha de Thor

A edição deste mês da revista "Os Novos Vingadores" (Panini Comics) está especialmente boa. As histórias do Capitão América continuam crescendo em qualidade, mesmo sem a presença do titular Steve Rogers (bôa, Ed Brubaker!). Mas o grande destaque é a história do Thor, escrita de maneira magistral por J. Michael Straczynski (insisto: como ele pode ser o mesmo cara que fez aquelas cagadas com o Homem-Aranha?). Como se não bastasse trazer o Deus do Trovão do mundo dos mortos de uma maneira criativa e inteligente, Straczynski nos presenteia com uma batalha épica do personagem com seu próprio avô, o brutal Bor.

Uma daquelas lutas memoráveis, sabe? Do tipo que acaba com metade de Nova York, do tipo que ele só tinha travado, sei lá, com o Hulk. Pura destruição, desenhada lindamente por Oliver Coipel. E tudo graças a um plano maquiavélico de Loki, vilão que está em plena forma - forma feminina, é preciso relembrar, uma espécie de Marilyn Manson fêmea (faz sentido?). O final é fantástico, daqueles que a gente simplesmente não espera, mas que a gente quer muito ver em um gibi de super-heróis. O bandido que coloca o mocinho em uma situação da qual ele não tem saída. Estratagema de mestre, eu diria. Palmas para o Loki. Dinheirinho muito, mas muito bem gasto.

PS: Em nome de Odin, que a produção do filme se baseie não só na fase de Walt Simonson, mas também nesta passagem de Straczynski pelo título! Ia ser, na falta de uma palavra melhor, lindo! Comparável a ver o filme do Aranha se inspirando na versão Ultimate do Bendis, só para traçar um paralelo.

PS2: Interessante perceber que esta nova proposta de uniforme que o Coipel criou para o Thor, que tem toques de armadura, veio para ficar. De fato, é muito mais bonita e faz muito mais sentido do que aquela fantasia de Carnaval pontuda que ele usa desde a década de 60, Jack Kirby que me perdoe. E a expressão angular, bravia, que ele deu ao herói também é ideal. Faltava só uma barba, como em outras ocasiões. Ia ser o toque viking perfeito.

Nenhum comentário: