06/08/2010

.: QUADRINHOS .: Um novo Homem sem Medo? Tá, conta outra.

Deixa eu resumir a ópera: o Demolidor pirou. É, assim mesmo, perdeu uns bons parafusos. Ok, não dá para ser considerado 100% normal um camarada (cego, ainda por cima) que sai por aí usando uma roupa vermelha de demônio. Mas os últimos acontecimentos de sua vida o fizeram reavaliar sua postura como super-herói. Adotando uma versão mais sombria de seu uniforme, Matt Murdock, agora o líder da organização Tentáculo (que ele mesmo combateu durante anos), resolveu fazer justiça efetivamente com as próprias mãos. Sabe o Justiceiro? Então. Muito pior, eu diria. O Demolidor, devidamente apoiado por seu exército de ninjas sanguinários sem rosto, está fazendo uma verdadeira limpeza no submundo do crime. Mas todos sabemos que está é uma linha fina. E ele está assumindo uma postura mais para ditador do que para defensor dos fracos e oprimidos. Algo do tipo "me obedeça e eu cuidarei de você". Meio máfia. E era óbvio que os outros heróis urbanos de Nova York não iam aceitar isso numa boa. Aí, é guerra.


Este é basicamente o conceito de "Shadowland", saga que a Marvel Comics está publicando atualmente nos EUA. Reza a lenda que o Demolidor vai sair desta série como vilão. E que o título de vigilante da Cozinha do Inferno (o bairro da Grande Maçã no qual o Demolidor tradicionalmente atuava), além da alcunha de "Homem sem Medo", ficariam para um outro herói. A marketeira Marvel até tem divulgado imagens teaser de justiceiros que seriam os possíveis selecionados para o seu lugar - incluindo aí Gambit, Falcão, Pantera Negra, Nova (hã?! mas ele é um herói cósmico, catso!) e até Kraven, o Caçador.

Vejam só: o Demolidor é um dos melhores personagens da Marvel. Isso é fato, cortesia da inesquecível passagem de Frank Miller pelo título, que ganhou ares renovados e entrou para a história dos gibis de heróis fantasiados. É uma espécie de Batman, com sua própria dose de superação pessoal. Então, eu acharia perfeitamente factível que ele surtasse de vez em algum momento. Tá bom, o cara passou por tudo que rolou em "A Queda de Murdock" e ainda saiu parcialmente ileso, por que cairia justamente agora? Mas poderia acontecer, vá. Sabemos disso. Enfim, eu adoraria ver uma modificação como esta, o cara se tornando um vilão, um sujeito tipo o Kraven (na verdade, um dos filhos dele, mas tudo bem) disputando espaço nas ruas com Frank Castle. Estas reviravoltas são saudáveis, tiram roteiristas e leitores da zona de conforto. Mas sabemos que elas duram pouco. Que, em alguns meses, Murdock volta ao uniforme vermelho e tudo ficará como antes. Fãs de quadrinhos como eu, do alto de seus 30 e poucos anos, já viram isso acontecer tantas vezes nas HQs da Marvel e da DC. Por que catso eu deveria acreditar que isso duraria?

O Bruce Wayne não morreu? Morreu. O Dick Grayson não realizou o sonho de diversos fãs e assumiu a identidade do Batman? Assumiu. Mas e agora o Wayne não está voltando da morte, numa jornada metafísica inventada pelo Grant Morrison? Pois é. Ou seja: Grayson sai de cena, Wayne reassume as bat-atividades e o ciclo recomeça. Bah. O Morcegão já ficou paraplégico, o Super-Homem já morreu, o Homem-Aranha descobriu que era na verdade um clone. Revelações bombásticas. Mas não demorou e tudo foi desfeito. E nem precisou do Mefisto. Lembranças destes fatos? Pouquíssimas. Quase nenhuma. Para os personagens e tampouco para os leitores.

Parece que, nos escritórios de quem comanda os gibis de super-heróis, ninguém tem bolas para manter a decisão de que uma mudança vai ser uma mudança significativa e definitiva. E pronto, não importa a chiadeira ou o "mimimi" dos fãs. E nem estou falando das mortes que, em menos de um ano, se tornam ressurreições. Estou falando até de coisas mais simples, como as modificações de uniformes. Ou alguém aí sinceramente acredita que a roupinha estilo "sado-masô urbano" que o Jim Lee criou para a Mulher-Maravilha vai durar? Tsc, tsc. Logo, logo volta o biquini estrelado, questão de tempo, pode acreditar.

Eu, sinceramente, adorei ver o Buck tomando o lugar do Capitão América quando Steve Rogers foi assassinado. E fiquei surpreso de verdade quando a Marvel decidiu, depois da ressurreição de Rogers, que Buck continuaria sendo o Sentinela da Liberdade, enquanto o Capitão original assumiria um cargo na SHIELD, além de tornar-se líder dos Vingadores Secretos. Mas o meu coração de fã é desconfiado. O seu também deve ser. E juro que ainda estou contando os dias para que Rogers dê um chega pra lá no antigo companheiro mirim e volte ao cargo e ao escudo, com toda a pompa e circunstância. Possivelmente, aconteça perto da estreia do filme, já que Chris Evans interpreta Steve Rogers nas telonas. E você? Aposta que ainda dura quanto tempo?
Estou mesmo ficando velho. E chato.

3 comentários:

Mauro disse...

Esse vai-e-vem de morre/desmorre, some/aparece, fica ruim/volta a ser bom é que me fez desistir dos quadrinhos de super-heróis faz anos. Como você falou, ninguém é macho de fazer uma mudança drástica e mantê-la.

Continuo lendo HQ, mas fico longe dos super-heróis, normalmente.

Jorge Hirota Jr. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Hirota Jr. disse...

Acho que esse vai-e-vem é uma caracteristica do gênero dos super-heróis, que é interessante.

As histórias infinitas que sempre retornam ao Status-Quo, mas daca vez um pouquinho diferente, adaptado para a época, ou acatando elementos da visão dos artistas que o marcaram. Mantém-se o mito, porque é isso que super-heróis atuais: Mitologia.

Sem contar que é uma brincadeira interessante, dá-se o personagem pra um grupo criativo eles contam as histórias deles e depois passa para o próximo grupo criativo, que pode respeitar o que o grupo anterior fez e mantém a cronologia ou ter uma visão completamente nova. Acho que as pessoas deviam parar de se concentrar na cronologia como se faz com as histórias finitas, e entender a brincadeira.

Similar ao que aconteceu com os filmes do Hulk. No do Ang Lee Betty descobre que o Banner é o Hulk, porém no do Terrier ela descobre denovo, já que não é uma continuação.
Mas se não é uma continuação, por que se parece tanto uma? Não se conta a origem dele novamente, apenas naquelas imagens editadas no começo durante os créditos, e esse segundo continua daonde o outro parou: Bruce fugitivo, fora do país. Mudou-se o efeito do monstro, e o atores (Parecido com a troca de colorista e desenhista.)

Sei lá, ficou grande o comentário, quase um post. HuAHuAhuAhu