01/10/2010

.: TELEVISÃO .: O homem-canivete

Eu conheci o MacGyver ainda quando era um pivete viciado na "Sessão da Tarde". A série, exibida originalmente na Globo, ganhou por aqui o nome de "Profissão: Perigo" e tinha na abertura o instrumental da música do Rush, "Tom Sawyer" - que, anos mais tarde, vim a descobrir chocado que não era de fato a música-tema original do programa. E o pior é que a música-tema é muito legal! Mas, problemas musicais à parte, o fato é que o personagem vivido por Richard Dean Anderson rapidamente se tornou um dos meus heróis. Muito mais, até, do que outros machões contemporâneos, tipo a galera marombada do "Esquadrão Classe A" ou os policiais cheios de laquê e ombreiras do "Miami Vice".

Gostava do MacGyver porque via nele um cara da paz. Ajudava os outros sem precisar sair dando porrada por aí ou puxando uma arma. Pouco afeito a armas, por falar nisso, ele resolvia toda e qualquer situação usando a inteligência, a ciência - por mais que fosse, é claro, um pouco daquela pseudo-ciência que só a cultura pop nos permite cultivar. Era um nerd, sabe? O primeiro nome dele era Angus, não tinha como não ser nerd!

Ex-cientista das Forças Especiais do exército norte-americano, com larga experiência no esquadrão anti-bombas que atuou no Vietnã. Aficcionado por todos os tipos de engenhocas, era uma espécie de rei do improviso, resolvendo qualquer coisa se tivesse um clipe de papel, uma caixa de fósforos, um chiclete mastigado e o seu inseparável canivete suíço à mão. Podia destrancar uma porta, desarmar uma bomba, construir um foguete. Tanto faz. Bastava um pouco de criatividade com o que estivesse disponível.

Adorava ver o Steven Seagal ou o Chuck Norris distribuindo pancadas a torto e a direito, não me entendam mal. Ainda gosto, aliás. Mas era bom ver um sujeito que fazia as coisas de um jeito diferente, só pra variar. E que, mesmo assim, conseguia soar bastante cool.

Anos depois, revi "MacGyver" em DVD. Já estava casado, próximo dos 30 anos, cabelos grisalhos (é verdade...), bem diferente daquele moleque santista de 10 anos de idade. E, ao contrário do que costuma acontecer com alguns ídolos de nossa infância que revisitamos na idade adulta, não me decepcionei. Pode parecer incrível. Ao contrário, aliás. Me diverti horrores. E daí que aqueles mullets dele eram péssimos? O sujeito continua sendo um gênio. Certas coisas que ele faz são impossíveis? E daí? É isso que queremos ver quando assistimos a esta série - que vai voltar, agora na telinha do canal de TV paga TCM. Ele é o MacGyver, cara. O Grissom ou o House não existiriam se não fosse o MacGyver. Porque só o MacGyver poderia fazer seus macgyverismos. Só ele seria capaz disso.

MacGyver continua sendo o meu herói. Não importa quanto anos eu tenha. Ou ele tenha, sei lá.

Preciso comprar meu canivete.

MACGYVER
A partir do dia 4 de outubro
Todas as segundas, quartas e sextas-feiras, às 20h
No canal TCM

Nenhum comentário: