06/02/2011

.: CINEMA .: Homem-Aranha e as sapatilhas da discórdia

Em edição recente da revista do Homem-Aranha publicada aqui no Brasil, ele combate uma jovem aspirante a vilã que ganha dinheiro transmitindo seus feitos real-time pela internet. Com seu jeitinho de piadista infame e nada sutil, o nobre cavaleiro das teias diz para a moça que a web existe "para que as pessoas procurem por pornografia". Devo discordar do Amigão da Vizinhança. Nos últimos anos, convenci a mim mesmo de que a internet é uma criação coletiva de nerds xiitas que precisavam ter um espaço próprio para poder odiar pelo simples prazer de odiar. Eu odeio e pronto, sabe? E posso compartilhar meu ódio com todo mundo.

O melhor exemplo é justamente o próximo filme do Homem-Aranha, o reboot da Sony promovido pelo diretor Mark Webb ("500 Dias com Ela"). Tudo começou assim: o estúdio liberou, de surpresa, a primeira imagem do protagonista Andrew Garfield (o brasileiro Eduardo Saverin em "A Rede Social") com o uniforme do teioso (esta aí do lado). E foi aquela coisa louca, todo mundo comentando, todo mundo falando do visual estilo ultimate (mais esguio e adolescente), todo mundo reparando no volume dos pulsos - indicando os já confirmados disparadores de teias mecânicos, ao invés dos disparadores "orgânicos" dos três filmes de Sam Raimi. Lindo, maravilhoso, a glória dos fãs de gibis. Amém.

Mas aí começaram a vazar uma porrada de fotos e vídeos amadores das gravações que estão rolando em Los Angeles, em sua maioria cenas de dublês correndo atrás de carros, fazendo malabarismos com as teias ou distribuindo sopapos em um bando de bandidinhos genéricos. Estamos na era das câmeras digitais e dos celulares com milhares de recursos multimídia, então não demorou para que estas imagens caíssem na web, deixando a legião de odiadores profissionais em polvorosa.

Claro. Porque temos que odiar o filme sem ter sequer visto um diacho de um trailer, sem ter ainda uma noção de qual vai ser o tom da história, o tipo de narrativa ou mesmo a fotografia que o diretor vai usar. Não. Vamos odiar o filme por um bando de fotografias amadoras de cenas gravadas nas ruas, sem finalização, edição ou pós-produção. Porque nada disso importa no resultado final de um filme, não é mesmo? Vamos odiar o filme porque o design do uniforme foi ligeiramente modificado - mas, é claro, ninguém mais fez isso na vida. A roupa do Batman de "O Cavaleiro das Trevas" é mesmo idêntica à dos gibis, incluindo aí a cueca por cima das calças. E o filme do Nolan é um lixo, não tem absolutamente nada a ver com o espírito das HQs, não é? Mudaram a roupa completamente, nem parece mais o Homem-Aranha, é um sacrilégio, um pecado mortal. Como puderam mexer naqueles traços vermelhos dos braços? Isso é um ultraje, Steve Ditko deve estar se revirando no túmulo! Ah, sim, ele não morreu ainda. Mas isso não interessa. A roupa do dublê rasgou? Não, isso não é coisa comum em gravações nas quais pessoas rolam, pulam e lutam durante horas seguidas. Isso significa que a produção é tosca, é barata, que o filme vai ter cara de filme B, sem orçamento.

Mas o pior são as sapatilhas. Que horror! Aquele tipo de coisa que muito provavelmente não estará no uniforme final e que só é usada para proteger os pés dos dublês do impacto? Não, não, não! Temos que odiar o filme por causa das malditas sapatilhas! Aliás, não temos apenas que odiar. Estas sapatilhas são a garantia de que o filme vai simplesmente destruir a carreira cinematográfica do Homem-Aranha. São a garantia de que o filme vai ser uma tragédia total, por mais que eu não tenha visto nada a mais além disso. Por mais que a única coisa oficial liberada até então seja a imagem acima.

Sério. Sério mesmo. Odiadores profissionais são um saco.

Veja, se você quer odiar o filme sem nem sequer tê-lo visto simplesmente porque adora os filmes do Raimi e acha que não haveria necessidade de um recomeço, pois bem. Você está no seu direito. Isso eu respeito. É o que se pode chamar de "ódio conceitual" ou algo assim. Não vi e não gostei, por princípio eu acho que este filme nem deveria ter sido feito. Ok. Mas não respeito de maneira alguma alguém que acha que um filme vai ser uma porcaria apenas e tão somente baseado em fotos e vídeos de gravações envolvendo dublês. Assista ao trailer. Ou melhor: assista ao filme finalizado, do jeito que o diretor o concebeu. Esta é a melhor forma de julgar. Se, depois disso, aí sim você continuar odiando, tudo bem. Este é seu direito, porque a visão e gosto pessoal de cada um variam bastante, sem problemas, opinião pessoal é um troço que está diretamente ligado a um determinado e famoso orifício da nossa fisiologia. Mas esta é a hora de criticar, de dizer que achou sensacional ou um lixo. Por enquanto, não tem nada que me faça crer que o trabalho de Webb está desabonado.

Pode ser uma porcaria, lixo atômico total e completo? Claro que sim. Assim como podem ser os filmes do "Thor", do "Capitão América", do "Lanterna Verde", dos "Vingadores" e até o terceiro "Batman" dirigido por Christopher Nolan. Todo filme tem pelo menos 50% de ser ruim - pra você. Porque, depois do resultado final, você pode achar uma bosta e eu achar sensacional. E vice-versa. Nada mais natural. Isso sim é natural, faz sentido de fato. Aí podemos todos amar e odiar à vontade.

Odiadores profissionais. São eles que me fazem querer repetir aquele mantra clássico muito usado contra os tipos mais hardcore de nerds: façam o favor de arrumar uma namorada.

2 comentários:

Rodrigo W. Mendes disse...

Parabéns pelo post. Você disse tudo e um pouco mais!E escreve muito bem também.

Fabio disse...

Concordo com tudo o que foi dito e se a internet não possuísse esse tipo de gente ela seria bem melhor1

Agora dá pra abrir uma exceção e deixar eu odiar por odiar o filme da Mulher Gato? Nunca vi o filme mas digo pra todo mundo que é o pior filme do mundo! ;-)