12/02/2011

.: QUADRINHOS .: A Fundação Futuro

Se você não quer saber de eventos futuros relativos aos gibis da Marvel, sugerimos que você pule este post imediatamente. Não me venha reclamar depois.

Contagem regressiva começando:

3...

2...

1...

Ok, valendo.

Alguns posts abaixo, você que não liga para spoilers deve ter descoberto que o Tocha Humana foi o membro do Quarteto Fantástico que morreu e partiu para o limbo temporário das HQs de super-heróis - afinal, sabemos que ele deve voltar em breve, mas aqui a discussão não é esta. O fato é que, depois de sua morte, a revista do Quarteto vai mudar de nome nos EUA - passando a ser chamada apenas de FF. Neste caso, a sigla não quer dizer "Fantastic Four", como outrora, mas sim "Future Foundation". A tal fundação científica vinha sendo acalentada e planejada por Reed Richards desde que Jonathan Hickman assumiu os roteiros do gibi. E é a forma encontrada pelo escritor para que o grupo não fique focado apenas em seus quatro membros originais (os filhos de Sue e Reed, Franklin e Valeria, passam a ser parte integrante da equipe) e possa retomar o clima de exploração científica das revistas pulp que Stan Lee e Jack Kirby tinham em mente quando criaram os heróis, em 1961. Ponto para Hickman.

A grande novidade, contudo, é que o quarto integrante do time passa a ser, ainda que saibamos que isso deve ser apenas temporariamente, o Homem-Aranha. E esta foi a decisão que mais causou polêmica entre os fãs mundo afora, quando a imagem de divulgação ao lado foi liberada.

Tá bom, eu também odiei estes uniformes brancos que eles criaram para a tal Fundação. Entendo a intenção, digamos, científica da coisa, o clima de laboratório. Mas não encaixou, não colou. E imagina só a quantidade de sabão em pó para deixar tudo brilhando depois de uma excursão pela Zona Negativa? Não dá. E o uniforme do aracnídeo, em particular, lembra demais a roupa do Anti-Venom, a nova persona encarnada por Eddie Brock (o antigo Venom). Blergh. Podiam ter trabalhado numa variação do azul.

Mas devo admitir que a escolha do Escalador de Paredes para integrar o grupo não me surpreende e, mais do que isso, me parece muito apropriada. Houve quem defendesse que foi (mais) uma jogada de marketing da editora, usando seu herói mais lucrativo para atrair as atenções para o renovado título do Quarteto, como se isso fosse um defeito. Pode até ter sido o motivo da escolha. E se foi isso, os caras estão no direito deles, fazer marketing não é crime (embora fazê-lo de maneira equivocada sim, possa ser considerado um crime).

Mas Peter Parker é um dos melhores amigos do finado Johnny Storm e, por tabela, de toda a família fantástica. Os dois viviam se encontrando um no gibi do outro. O Homem-Aranha tentou entrar para o Quarteto no começo de sua carreira, gerando um dos primeiros crossovers entre heróis Marvel da carreira do Cabeça de Teia. Aliás, o Homem-Aranha até fez parte de uma formação alternativa do Quarteto em uma história pra lá de clássica e divertida, ao lado do Wolverine, do Motoqueiro Fantasma e do Hulk cinza. Os membros do Quarteto foram praticamente as primeiras pessoas para quem Peter revelou sua identidade secreta depois das mudanças de "Um Novo Dia". E Reed Richards sempre teve um comportamento paternal com relação ao Teioso, em especial porque ambos são gênios científicos.

Acho que são motivos o suficiente para justificar a escolha de Hickman, não?

Tá aí. Agora ele me deixou curioso para ler sua passagem pelo Quarteto. Não pela presença do Aranha. Mas pela originalidade. E isso vinha sendo elemento raro nas revistas de Reed, Sue, Ben e Johnny.

Um comentário:

Tiago disse...

Ou seja, agora além estar nos Vingadores e nos Novos Vingadores, o Homem-Aranha também está no Quarteto Fantástico!? E eu achando que só o Wolverine tinha esse poder de onipresença!